quinta-feira, 8 de maio de 2008

ESTIRAMANTÉNS MEMORIES - Acrílico s/ tela



Esta última fui buscá-la ao arquivo em Maio 2010


6 comentários:

Fatima Carmo disse...

Tal como prometi, cá estou de visita. Gostei do que pude ver, particularmente das esculturas/instalações.Não sou especialista de coisa nenhuma.
Gostei da paz inquietante que irradia dos teus trabalhos.
Uma curosidade. Sou uma alentejana, arraçada de algarvia. Estudei sempre no Algarve, Liceu de Faro e só saí de lá para a Universidade de Lisboa.

São disse...

Olá Afonso, li o teu comentário sobre os papas do Bacon no Obvious. Obrigada.
Eu gosto de Miles Davis, mas temo conhecer apenas o Kind of Blue, o Musings of Miles, o Sketches from Spain, o Birth of the Cool e o Bitches Brew.
Nada que me permita escrever sobre Miles Davis… a menos que lesse uma biografia, tarefa que me parece bastante agradável, mesmo sem pensar em escrever a respeito :) Há uns anos um amigo meu andava a ler uma e contava episódios divertidíssimos da vida do Miles, como ele não querer que um trompetista (ou clarinetista? Bem, um instrumentista de sopro da banda dele) desdentado arranjasse os dentes, pois temia que o som já não fosse o mesmo, que já não fosse tão bom.
Mas realisticamente, por mais que goste do Miles, na verdade o que me tira a respiração é mesmo, e apenas, o Kind of Blue… de tanto ouvir ao longos dos anos acho que já decorei grande parte das linhas melódicas do disco e que cada vez mais posso reconhecê-lo quando o ouço fora de casa. Uma vez aconteceu-me, só, reconhecer o Coltrane… ia na rua e ouvi um saxofone e apercebi-me de que conhecia aquela música e que quem estava a tocar era o Coltrane. Não percebi que era o Kind of Blue. Entrei no bar e perguntei quem estava a tocar e disseram-me “Miles Davis”. E eu pensei “O Miles Davis!?” e corei imenso e agradeci e saí do bar. Mas mal dei um passo na rua outra sequência magnífica de saxofone e tinha de ser o Coltrane, tinha de ser, só podia ser, ninguém tocava aquilo assim, só Coltrane. Então desconfiei, voltei e perguntei “Por acaso o CD do Miles que estão a passar não é o Kind of Blue, é?” hehehe Responderam-me que sim, eu ri de alívio por afinal estar na posse das minhas faculdades emocionais todas, e antes de sair expliquei que o Coltrane toca no Kind of Blue e que aquele saxofone que ainda estávamos a ouvir era o do Coltrane.
Porque além de tudo o Kind of Blue é um catálogo de seis músicos brilhantes, não é? Um catálogo de génios. É soberbo, perfeito. Para mim é mais que um disco. É uma criação humana que arrumo mentalmente entre as obras de arte que salvaram e salvam um bocadinho o mundo.
Ah, se eu percebesse de jazz gostava de escrever qualquer coisa sobre o fim dos anos 50, mais exactamente sobre os estranhos anos de 57, 58 e 59. Metade das obras primas do jazz parecem ter sido editadas num desses anos, heheheh.
Cumps
São

Delirius disse...

A tua obra é extensa! Sabes que sou tua fã desde o primeiro momento, numa qualquer madrugada misteriosa!
Também sabes que há "coisas" pelas quais não passo por acaso, uma delas é o teu trabalho e TU.
Por isso passo por ele devagar..., porque preciso sentir, entender para ser capaz de apreciar e dizer...!
E "entender" é-me essencial, e curiosamente (por falar em liberdade), é um dos direitos a que me arrogo mas... parece estar errado....!
... para esclarecer que passo e marco presença sempre com a disponibilidade de tempo que o teu trabalho merece.
A sensibilidade sempre esteve aqui, com dias de sol ou cinzentos. Às vezes é magoada e recolhe-se..., ou estrabucha...!
O tempo é muito curto para a maior parte das pessoas, não chega para passar os olhos do coração pelos "entretantos", dá apenas para reparar no resultado final, e aí corremos, na maior parte das vezes o risco de sermos injustos...!
Enfim... "l'air du temps".

Voltarei sempre... amigo!
E a este preciso lugar, com mais calma, gosto desta pinturas.

afonso rocha disse...

Delirius
Obrigado, mais uma vez....
dizes
"...Às vezes é magoada e recolhe-se..., ou estrabucha...!
Pois é, amiga, mas o barro trabalhado volta sempre à forma primeira, só depende de nós...e do tempo...
Voilá!
Jin
Nota:Como me fizeste abrir a gaveta de recordações passadas...aqui está mais uma tela...

Delirius disse...

Acho a 1ª fantástica!
E gosto das cores na 2ª, ainda não a decifrei, nem a 3ª.
Obrigada.
Beijo.

OutrosEncantos disse...

Adoro essa primeira tela!!!...
Acho que ainda vou comprá-la!
Falamos sobre isso um dia destes.

Bjins.